Hot Best Seller

Here the Whole Time

Availability: Ready to download

The charm and humor of To All the Boys I've Loved Before meets Dumplin' in this body-positive YA love story between two boys who must spend 15 days living with each other over school break. What would you do if you had to spend the next 15 days with your lifelong crush? Felipe gets it -- he's fat. Not chubby. Not big-boned. Fat. And he doesn't need anyone to remind him, whic The charm and humor of To All the Boys I've Loved Before meets Dumplin' in this body-positive YA love story between two boys who must spend 15 days living with each other over school break. What would you do if you had to spend the next 15 days with your lifelong crush? Felipe gets it -- he's fat. Not chubby. Not big-boned. Fat. And he doesn't need anyone to remind him, which is, of course, what everyone does. That's why he's been waiting for this moment ever since the school year began: school break. Finally, he'll be able to spend some time far away from school and the classmates who tease him incessantly. His plans include catching up on his favorite TV shows, finishing his to-be-read pile, and watching YouTube tutorials on skills he'll never actually put into practice. But things get a little out of hand when Felipe's mom informs him that Caio, the neighbor kid from apartment 57, will be spending the next 15 days with them while his parents are on vacation. Felipe is distraught because A) he's had a crush on Caio since, well, forever, and B) Felipe has a list of body image insecurities and absolutely NO idea how he's going to entertain his neighbor for two full weeks. Suddenly, the days ahead of him that once promised rest and relaxation (not to mention some epic Netflix bingeing) end up bringing a whirlwind of feelings, forcing Felipe to dive head-first into every unresolved issue he has had with himself -- but maybe, just maybe, he'll manage to win over Caio, too.


Compare

The charm and humor of To All the Boys I've Loved Before meets Dumplin' in this body-positive YA love story between two boys who must spend 15 days living with each other over school break. What would you do if you had to spend the next 15 days with your lifelong crush? Felipe gets it -- he's fat. Not chubby. Not big-boned. Fat. And he doesn't need anyone to remind him, whic The charm and humor of To All the Boys I've Loved Before meets Dumplin' in this body-positive YA love story between two boys who must spend 15 days living with each other over school break. What would you do if you had to spend the next 15 days with your lifelong crush? Felipe gets it -- he's fat. Not chubby. Not big-boned. Fat. And he doesn't need anyone to remind him, which is, of course, what everyone does. That's why he's been waiting for this moment ever since the school year began: school break. Finally, he'll be able to spend some time far away from school and the classmates who tease him incessantly. His plans include catching up on his favorite TV shows, finishing his to-be-read pile, and watching YouTube tutorials on skills he'll never actually put into practice. But things get a little out of hand when Felipe's mom informs him that Caio, the neighbor kid from apartment 57, will be spending the next 15 days with them while his parents are on vacation. Felipe is distraught because A) he's had a crush on Caio since, well, forever, and B) Felipe has a list of body image insecurities and absolutely NO idea how he's going to entertain his neighbor for two full weeks. Suddenly, the days ahead of him that once promised rest and relaxation (not to mention some epic Netflix bingeing) end up bringing a whirlwind of feelings, forcing Felipe to dive head-first into every unresolved issue he has had with himself -- but maybe, just maybe, he'll manage to win over Caio, too.

30 review for Here the Whole Time

  1. 4 out of 5

    Vitor Martins

    Eu demorei quase 6 meses para adicionar meu próprio livro na minha lista de lidos aqui no Goodreads porque não sabia muito bem o que fazer. Porque, bem, eu li Quinze Dias (mais vezes do que eu li qualquer outro livro na minha vida haha) e apesar de amar essa história com todo o meu coração eu não sei se seria pretensioso demais da minha parte dar 5 estrelas pro meu próprio livro. Então eu não vou dar estrela nenhuma e vou usar esse espaço aqui para dizer que escrever Quinze Dias foi uma das melho Eu demorei quase 6 meses para adicionar meu próprio livro na minha lista de lidos aqui no Goodreads porque não sabia muito bem o que fazer. Porque, bem, eu li Quinze Dias (mais vezes do que eu li qualquer outro livro na minha vida haha) e apesar de amar essa história com todo o meu coração eu não sei se seria pretensioso demais da minha parte dar 5 estrelas pro meu próprio livro. Então eu não vou dar estrela nenhuma e vou usar esse espaço aqui para dizer que escrever Quinze Dias foi uma das melhores coisas que poderiam acontecer na minha vida. Junto com o Felipe eu consegui encontrar feridas em mim mesmo que ainda precisavam ser curadas. Eu consegui reatar meu relacionamento com a minha mãe de um jeito que eu nunca imaginei que seria possível. Eu tive a oportunidade de viajar para lugares novos e conhecer muitas pessoas incríveis. Obrigado a todo mundo que já leu e deixou sua opinião e suas estrelinhas aqui no site. Isso é importante demais para mim. E, para quem ainda não leu, deixo aqui o famoso CONVITE. Quinze Dias é um livro bonito, muito engraçado e cheio de pequenos momentos que eu sempre quis compartilhar com o mundo. Espero que vocês gostem! Boa leitura ;)

  2. 4 out of 5

    Eric Novello

    "Quinze Dias", do Vitor Martins é um livro bem interessante de um ponto de vista mais técnico. E bem divertido de ler, falando só como leitor. Dá para perceber que o Vitor de fato lê livros Young Adult, e que, de certo modo, foram eles a escola de formação para a sua estreia na literatura com o Quinze Dias. Pode ser impressão, mas senti, principalmente no começo, um diálogo mais forte com "Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens", da Becky Albertalli. No modo de estruturar as informações, dar andamento "Quinze Dias", do Vitor Martins é um livro bem interessante de um ponto de vista mais técnico. E bem divertido de ler, falando só como leitor. Dá para perceber que o Vitor de fato lê livros Young Adult, e que, de certo modo, foram eles a escola de formação para a sua estreia na literatura com o Quinze Dias. Pode ser impressão, mas senti, principalmente no começo, um diálogo mais forte com "Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens", da Becky Albertalli. No modo de estruturar as informações, dar andamento à trama. Mas, sinceramente, achei "Quinze Dias" bastante superior ao livro da Becky Albertalli em termos de personagens e entretenimento. Gostei da decisão de delimitar a trama aos tais quinze dias, porque isso cria um senso de finitude legal pro leitor, o que contribui com o fechamento psicológico da história. Achei que o autor lidou bem com um texto mais curto, já que a história não perde o fôlego. Aliás, embora tenha gostado do livro desde o início, dá para sentir que com a entrada da Beca o texto ganha um ritmo diferente, como se o autor se soltasse junto com a personagem mais doidinha e fan favorite do livro. Falando em personagens, o Vitor escolheu trabalhar com poucos. Mas achei todos eficientes dentro de seus papéis. Talvez o Caio, por ser visto pelo filtro da idealização do Felipe, tenha ficado na fronteira entre personagem e pessoinha de verdade, mas foi legal ver, tanto nele quanto nos demais, como o Vitor distribuiu os pontos fortes e as vulnerabilidades de cada um. A mãe do Felipe, aliás, para mim compete de igual para igual com a Beca na categoria "personagens mais divertidas da história". Hum! Um ponto interessante é que conheço o Vitor pessoalmente e o Felipe não me pareceu um mero desdobramento do Vitor. Pareceu uma outra pessoa, com uma voz própria, o que achei legal. Não sei como o Vitor trabalhou isso na cabeça dele, mas depois pergunto. Gostei da "moral" de que a vida dos outros pode parecer perfeita de longe, mas basta olhar de perto para descobrir que todo mundo tem seus problemas. Gostei também desses problemas não se resolverem todos ao fim do livro. O arco narrativo é realmente do Felipe e trabalha seu dilema de aceitação pelo fato de ser gordo, sofrer um bullying violento por conta disso e achar que ninguém jamais o acharia bonito. Embora eu esteja no extremo oposto da situação, me identifiquei com a questão de deixar que vejam seu corpo, andar sem camisa, e coisas do tipo. Então para mim funcionou direitinho. Enfim, dava para falar um monte aqui de cada ponto, mas o resumo é: achei a estreia do Vitor Martins bola dentro total. estava sentindo falta de um Y.A. divertido assim. Já curioso pelos piratas gays!

  3. 5 out of 5

    Mayra Sigwalt

    ACABEI DE PERCEBER QUE SOU A PIOR AMIGA DO MUNDO E NÃO FIZ MINHA RESENHA DE QUINZE DIAS???? (Vitor tirando meu nome dos agradecimentos em 3,2,1...) Juro que vou escrever algo coerente em breve. Mas o resumo é LEIAM POIS ESSE LIVRO É MUITO ESPECIAL e eu to ORGULHOSA PRA CARALHO do Vitor ter colocado essa história no mundo.

  4. 4 out of 5

    Bárbara Morais

    Eles nao podiam colocar minha primeira opinião no livro, mas o goodreads é meu, então lá vai: LEIAM ESSE LiVrO!!!!!!!! Paz.

  5. 5 out of 5

    Iuri

    Quinze Dias não só é um livro lindo e muito bem escrito, ele é também um dos livros mais necessários que eu já li. É sensível, é engraçado, é real, tem choques de realidade e coisas que me fizeram questionar preconceitos e comportamentos, bem como me deram outra perspectiva sobre dificuldades pelas quais muitas pessoas queridas passam. Felipe é um protagonista cativante e engraçado e é realmente um protagonista, essa história é dele. Caio foi o par ideal pra ele, e trouxe junto a Beca e a Melissa Quinze Dias não só é um livro lindo e muito bem escrito, ele é também um dos livros mais necessários que eu já li. É sensível, é engraçado, é real, tem choques de realidade e coisas que me fizeram questionar preconceitos e comportamentos, bem como me deram outra perspectiva sobre dificuldades pelas quais muitas pessoas queridas passam. Felipe é um protagonista cativante e engraçado e é realmente um protagonista, essa história é dele. Caio foi o par ideal pra ele, e trouxe junto a Beca e a Melissa. E não só isso, todos os personagens são importantes e tem características que fazem a gente se lembrar deles com carinho. Eu RI ALTO em vários momentos do livro e teve pelo menos um dos "dias" que voltei pra ler mais uma vez. O mercado nacional estava carente de um romance LGBT bom DE VERDADE, e Quinze Dias preenche essa vaga com vantagem. Mas não só isso, muito mais do que um YA sobre amor, esse livro é sobre como é difícil crescer e como o mundo é muito mais cruel com umas pessoas do que com outras. Se você está se perguntando se vai gostar desse livro, a resposta é sim. E eu nunca vou enfatizar o suficiente: você. precisa. ler. esse. livro. Sorriso no rosto e lágrimas nos olhos da dedicatória até o final dos agradecimentos. Não precisava do livro pra chegar nessa conclusão (o youtube e as ilustrações já dão uma boa dica), mas Quinze Dias deixa claro que o Vitor tem uma sensibilidade fora do comum. Gênio. 10 estrelas.

  6. 4 out of 5

    André Caniato

    Não sei explicar como esse livro mexeu comigo, de verdade. Sentei para ler de cabo a rabo em fevereiro, um mês que foi sincera e completamente horrível pra mim, e Quinze dias foi, com certeza, a famosa luz no fim do túnel — ou pelo menos um ponto positivo em meio a vários negativos. Conhecendo o Vitor, eu sabia que seria um livro maravilhoso, mas confesso que superou todas as minhas expectativas (biased? jamais). O romance entre Caio e Felipe é do tipo que qualquer um fica feliz em encontrar num Não sei explicar como esse livro mexeu comigo, de verdade. Sentei para ler de cabo a rabo em fevereiro, um mês que foi sincera e completamente horrível pra mim, e Quinze dias foi, com certeza, a famosa luz no fim do túnel — ou pelo menos um ponto positivo em meio a vários negativos. Conhecendo o Vitor, eu sabia que seria um livro maravilhoso, mas confesso que superou todas as minhas expectativas (biased? jamais). O romance entre Caio e Felipe é do tipo que qualquer um fica feliz em encontrar num YA, e eu acho que, levando em consideração os temas que são abordados aqui, essa é uma história necessária no cenário jovem adulto nacional. Como li antes do lançamento, pretendo reler assim que tiver o livro EM MÃOS, mas não acho que minha opinião vá mudar. Quinze dias já é um clássico LGBT, o livro jovem adulto que a gente precisa neste momento.

  7. 4 out of 5

    Melina Souza

    Amei tanto esse livro. Ainda vou fazer uma resenha de verdade, mas já quero deixar registrado que esse livro é quentinho no coração :) Sou fã do Vitor e já quero mais livros escritos por ele *-*

  8. 5 out of 5

    Jessika Alves

    Resolvi falar o porque eu amei esse livro, como o Felipe faria, por lista. 1. Sempre tive problema de peso e apesar de só ser obesa a uns 3 anos (medicamente falando), ler um protagonista gordo me fez muito bem. 2. Me reconheci em várias coisas em varios personagens. Pedi as contas de quantas vezes pensei "nossa, muito eu" 3. Principalmente com a vida social do Felipe (ou a falta dela) 4. Fiquei com muita saudade da época que conheci meu atual namorado quando eu tinha 15 anos. Toda essa neura com o Resolvi falar o porque eu amei esse livro, como o Felipe faria, por lista. 1. Sempre tive problema de peso e apesar de só ser obesa a uns 3 anos (medicamente falando), ler um protagonista gordo me fez muito bem. 2. Me reconheci em várias coisas em varios personagens. Pedi as contas de quantas vezes pensei "nossa, muito eu" 3. Principalmente com a vida social do Felipe (ou a falta dela) 4. Fiquei com muita saudade da época que conheci meu atual namorado quando eu tinha 15 anos. Toda essa neura com o peso quando se apaixona foi muito eu de novo. 5. Percebi que ter estudado em uma escola cheia de diversidade solvou minha adolescêncial e me fez uma adulta melhor. 6. A empatia foi tão forte com os personagens que chorei tanto nos momentos tristes quanto no felizes. 7. E apesar de ser a pessoa com menos humorada do mundo, ri umas quatro vezes alto (isso é muito pro meu padrão mesmo, ainda mais de TPM). Fico imaginando que a Jessika de 12 anos que chegava correndo da escola para comer bolo e ler Harry Potter ia amar muito esse livro. E fico feliz de outros jovens terem essa oportunidade hoje.

  9. 4 out of 5

    Bruna Miranda

    COTCHOQUISSE PURA

  10. 4 out of 5

    Solaine Chioro

    Mulheres que foram dormir duas da manhã porque não conseguiram parar de ler esse livro me add. Quinze Dias é tão gracinha, mas tão gracinha que eu tô sorrindo enquanto escrevo essa resenha. O livro relata esses quinze dias das férias de julho em que o Felipe é obrigado a passar com o seu vizinho, Caio, seu crush eterno e reluzente. Daí o Felipe vira a cara do desespero, porque ele é super ansioso, não consegue nem falar com o menino direito e não vai mais poder passar as férias vendo Netflix (um Mulheres que foram dormir duas da manhã porque não conseguiram parar de ler esse livro me add. Quinze Dias é tão gracinha, mas tão gracinha que eu tô sorrindo enquanto escrevo essa resenha. O livro relata esses quinze dias das férias de julho em que o Felipe é obrigado a passar com o seu vizinho, Caio, seu crush eterno e reluzente. Daí o Felipe vira a cara do desespero, porque ele é super ansioso, não consegue nem falar com o menino direito e não vai mais poder passar as férias vendo Netflix (uma grande tragédia, realmente). O livro é narrado pelo próprio Felipe e, ó, eu acho que essa é a minha parte favorita sobre a obra. Tem uns livros em primeira pessoa que nem faria tanta diferença assim se a narração fosse em terceira, mas em Quinze Dias isso não só é importante, como também dá um tempero especial pra história. É muito fácil mergulhar (e rir muito) com o raciocínio do Felipe, entendendo cada vez mais como ele enxerga o mundo, suas inseguranças e medos. A escrita flui muito bem e é realmente muito difícil parar até pra beber água. O Vitor tratou de tantos temas de uma forma tão delicada, mas sem deixar de dar a devida importância, o que me deixou muito, muito, muuuuuito satisfeita com o livro. As reflexões do Felipe sobre ser gordo (que dão uns quotes ótimo pra esfregar na cara de uns @ por aí), os forninhos que o Caio precisa segurar com sua mãe e até mesma essa representação incrível de um adolescente ansioso (sério, amei, muito relacionável) dão um toque importantíssimo pro livro e fazem de Quinze Dias um HINO DOS ROMANCINHOS FOFURA!!! Gostei também de ver personagens não-brancos (porque né, sempre vou reclamar de histórias só com gente branca, rs), inclusive AMO MUITO A BECA E VOU PROTEGÊ-LA! Também tô apaixonada pela Rita, quero ser ela quando eu crescer (seriam as quartas musicais a melhor invenção dessa vida????). Na real, eu gostei muito de todos os personagens, porque estão todos muito bem caracterizados e AAAAAAAAA!!! É sempre muito bom ver um livro assim que tem toda essa importância de representatividade e ainda por cima é BR!!!! Nada contra gringos (mentira, tenho várias coisas contra, rs), mas ler uma literatura jovem assim que representa pequenas coisinhas da nossa vivência como brasileiros deixa tudo mil vezes mais mágico, recomendo. O livro é curto, a leitura é rápida, mas a história continua com você, esquentando seu coração por um bom tempo. Corre pra ler Quinze Dias, gente! P.S.: Ainda um pouco abalada pela opinião do Caio sobre Rouge, mas tudo bem, vou superar essa dor.

  11. 5 out of 5

    Paulo Ratz

    Lido em 3 dias, isso porque eu não tive muito tempo, pq teria lido em 1 dia só. Não é pq é meu amigo não, mas own 💙

  12. 4 out of 5

    Vitor Aurungo

    Por incrível que pareça realmente existe uma versão forró de toxic . Esse livro além de muito engraçado é o livro mais necessário que li nos últimos tempos .

  13. 5 out of 5

    Vinnie

    Tive o prazer de ler o pdf ultra top-secret (rss) de Quinze Dias antes mesmo das revisões finais. Eu tinha no meu celular e lia no trabalho tomando meu café. O problema é que eu não conseguia parar haha. Não porque tinha um grande mistério (não é um suspense), mas pelo o que eu sentia lendo. É como aquele bombom depois do almoço que tira a amargura da rotina, além de muito gostosinho. A história do Felipe e sua paixão platônica pelo Caio me levou direto à minha adolescência e eu lia o tempo todo Tive o prazer de ler o pdf ultra top-secret (rss) de Quinze Dias antes mesmo das revisões finais. Eu tinha no meu celular e lia no trabalho tomando meu café. O problema é que eu não conseguia parar haha. Não porque tinha um grande mistério (não é um suspense), mas pelo o que eu sentia lendo. É como aquele bombom depois do almoço que tira a amargura da rotina, além de muito gostosinho. A história do Felipe e sua paixão platônica pelo Caio me levou direto à minha adolescência e eu lia o tempo todo com um risinho na cara (quem nunca teve um Caio da vida, né?). Além disso é muito engraçado. Sério, ri alto várias vezes com o Felipe, a tia Lourdes e a mãe dele: dona Rita (queen). Não vejo a hora de ter a cópia física em mãos pra empurrar esse livro nos meus amigos todos.

  14. 4 out of 5

    Diana Passy

    Um livro que me fez sorrir o tempo todo :)

  15. 4 out of 5

    Camila

    4.5 estrelas. Desde que o Vitor Martins lançou esse livro, o booktube inteiro parece estar comentando sobre ele. De início, ele não me chamou tanto a atenção, e eu mesma não acompanho o canal do próprio Vitor, então não o coloquei em meus planos de leitura. Mas... bem, eu acabo comprando qualquer livro LGBT que apareça na minha frente, ainda mais se tratando de um YA com premissa clichê. Todos parecem estar comentando sobre o quanto o livro é fofo (o que não é mentira), mas ele vai muito além da 4.5 estrelas. Desde que o Vitor Martins lançou esse livro, o booktube inteiro parece estar comentando sobre ele. De início, ele não me chamou tanto a atenção, e eu mesma não acompanho o canal do próprio Vitor, então não o coloquei em meus planos de leitura. Mas... bem, eu acabo comprando qualquer livro LGBT que apareça na minha frente, ainda mais se tratando de um YA com premissa clichê. Todos parecem estar comentando sobre o quanto o livro é fofo (o que não é mentira), mas ele vai muito além da fofura de um romance entre adolescentes. Felipe é um garoto encantador, totalmente inseguro com seu corpo, que aprendeu a esperar o pior de todas as situações sociais em que ele é obrigado a estar. Sua família se resume à sua mãe, que é uma fofa, e devido a todo o bullying e às inseguranças, ele aprendeu a ter uma vida social apenas nos filmes e seriados. Tudo isso se propõe a mudar quando Caio, o vizinho gato de Felipe, vai passar quinze dias em sua casa, devido à uma viagem dos pais. E é claro que, de início, tudo parece um pesadelo, mas com o passar do tempo, a personalidade de Caio vai se revelando cada vez mais fofa e apaixonante. A escrita do Vitor Martins é simples, mas muito gostosa e rápida de se ler. O desenvolvimento da relação de Caio e Felipe foi o que mais me conquistou nesse história toda. Foi algo extremamente real, nada dramaticamente romantizado, mas sem deixar de ser fofo e um pouco clichê. Gostei do fato de nenhum dos personagens depositar sua autoestima e amor próprio no outro, o que é algo bem comum (e bem ridículo) em YAs. Foi bom ver, aos poucos, o quanto esses garotos combinavam, vê-los contar um pouquinho mais de si a cada dia. Mas, como eu disse, o livro vai muito mais além do romance. Dentre todas os outros pequenos conflitos retratados aqui, o que ganha mais destaque é o da insegurança de Felipe. Vitor soube falar sobre isso com extrema delicadeza, mas mesmo assim sendo extremamente real, em momento nenhum romantizando algo com o qual é tão difícil de conviver. É nesse ponto que mais me vi em Felipe. Não sou gorda, e minhas inseguranças nunca foram devido a meu corpo. Mas eu sei exatamente o que a timidez e a ansiedade social podem causar a uma pessoa. Sei como é ficar tão nervoso falando com alguém, a ponto de sua garganta fechar. Sei como é entrar na defensiva e acabar sendo rude com uma pessoa, e depois se afundar em vergonha por causa disso. Sei como é odiar uma pessoa que você normalmente gosta, tudo por inveja da capacidade dela de se comunicar. Enquanto lia, sentia vontade de estar ali com Felipe, de compartilhar minhas experiências com ele, de tentar ajudá-lo. De abraçá-lo e garantir que ele não estava sozinho nisso tudo, de dizer que ele é lindo do jeito que é. "Sei que vai parecer ridículo, mas eu sinto tanto ciúme. Ciúme da minha mãe, porque Caio mal chegou e já está aqui todo cheio de elogios sobre o tempero dela. E, pra piorar, sinto ciúme do Caio. Porque queria que ele conversasse comigo." Por fim, não sei se algum dia serei capaz de dizer o quanto é bom ver livros LGBT em livrarias, o quanto aquece meu coração poder lê-los e me identificar com as personagens. Há muita luta pela frente mas é em pequenas coisas como essa, que vemos o tanto que evoluímos de uns tempos pra cá.

  16. 5 out of 5

    Camile Souza (This Chamber of Books)

    Sooooo this brazillian book is actually going to be published in the US by Scholastic in 2020 with the title HERE THE WHOLE TIME (which is legit a taylor swift song reference) and I'm over the moon because this is one of my FAVORITE books of all time, so y'all are going to have to deal with me YELLING at everyone to read it. Okay thank you bye. oh also this is about a fat gay boy who's had a crush on his cute neighbor since forever and then he finds out that said neighbor is going to have to stay Sooooo this brazillian book is actually going to be published in the US by Scholastic in 2020 with the title HERE THE WHOLE TIME (which is legit a taylor swift song reference) and I'm over the moon because this is one of my FAVORITE books of all time, so y'all are going to have to deal with me YELLING at everyone to read it. Okay thank you bye. oh also this is about a fat gay boy who's had a crush on his cute neighbor since forever and then he finds out that said neighbor is going to have to stay as a guest in his house for 15 days (which is what the original title of the book means). This book is all kinds of cute and freaking hilarious, y'all need to read it when it comes out! <3 ---------------------------- (Passando aqui pra dizer que esse HINO vai ser publicado em inglês e eu vou encher o saco de todos para lerem. Obrigada de nada.) ---------------------------- Review ESTOU MORTA MAS PASSO BEM. Eu nao to nem em condições de expressar direito o que senti lendo esse livro. Li de uma vez só (E EU NUNCA FAÇO ISSO TIPO NEVER). Meldels eu to no chão. Se vc gostou de Simon vs a Agenda Homo Sapiens esse livro provavelmente é perfeito pra vc pq tem um feeling de fofura, amor, e sinceridade mt parecidos. Só façam o favor de ler esse HINO de livro aqui. Obrigada. Resenha quando eu voltar a ter capacidade de lidar com a montanha de feels.

  17. 5 out of 5

    B.

    Como sou péssimo escrevendo resenhas, só digo uma coisa: Rainbow Rowell meets David Levithan! hahah

  18. 4 out of 5

    Lívia

    É muito, muito difícil escrever sobre adolescência, mas o Vitor consegue fazer isso de um jeito autêntico e lindo. Eu me peguei chorando até com os agradecimentos ao final do livro, e pensando/citando a história várias vezes nos dias depois da leitura. Quinze dias é um livro sobre dilemas universais numa roupagem contemporânea (e as referências a cultura pop são todas maravilhosas), e é aquela história de amor que deixa um quentinho no coração

  19. 4 out of 5

    Gabrielle Malinski Nery

    Estou escrevendo essa resenha no minuto que terminei de ler o livro! Vitor, vou tentar não esquecer de nada! É difícil pra mim escrever resenhas coerentes, então relevemos... Primeiro, preciso dizer: eu sabia que ia gostar da história do Felipe, mas estava um pouco preocupada com o quesito "identificação" porque a) não sou e nunca fui gorda e b) não sou um menino gay. Mas sou uma pessoa MUITO empática, e adivinha porquê? Exatamente, sou uma pisciana! Eu amei descobrir que SIM, eu tenho algo em co Estou escrevendo essa resenha no minuto que terminei de ler o livro! Vitor, vou tentar não esquecer de nada! É difícil pra mim escrever resenhas coerentes, então relevemos... Primeiro, preciso dizer: eu sabia que ia gostar da história do Felipe, mas estava um pouco preocupada com o quesito "identificação" porque a) não sou e nunca fui gorda e b) não sou um menino gay. Mas sou uma pessoa MUITO empática, e adivinha porquê? Exatamente, sou uma pisciana! Eu amei descobrir que SIM, eu tenho algo em comum com o Felipe! O que me fez me identificar demais com ele. Toda a timidez, toda a insegurança, a falta de amigos (eu tenho poucos, e sou grata por eles, porque é MUITO difícil conhecer gente nova), fazem parte da minha vida. O Felipe é um personagem extremamente real, daqueles que é fácil de se identificar porque ele não parece invenção da cabeça de alguém, mas sim uma pessoa real cuja vida foi parar num livro. Eu amo esse tipo de personagem. O Caio é a coisa mais fofa do planeta! Ele é engraçado, querido, o tipo de pessoa que dá vontade de conhecer. Queria ter um amigo igual ao Caio! O desenvolvimento da relação deles ao longo dos quinze dias foi incrível. O Vitor conseguiu descrever essas férias de uma forma que eu senti a mesma coisa que os meninos: passou rápido demais. Como foram quinze dias se pareceram quinze horas? Quando estava no dia sete, precisei voltar e lembrar tudo que aconteceu em cada dia porque eu sentia que tinham passado só dois! Gostei demais de ver esse relacionamento se desdobrando aos poucos, e como foi capaz de fazer o Felipe (e o Caio também) se descobrirem um pouco mais, se conhecerem um pouco mais. Todas as questões paralelas sobre bullying, ser gordo, ser gay, tudo foi descrito e trabalhado de forma delicada e certeira. Me doeu o coração ler sobre os momentos que o Felipe passava na escola, e mesmo nunca tendo passado por isso eu mesma, me identifiquei. Porque é doloroso não se sentir bem na própria pele, e é ainda pior quando as outras pessoas apontam isso (muito empática, eu avisei). Eu morri de rir, eu me emocionei, eu me senti especial nos agradecimentos (porque atormento bastante o Vitor no twitter 🤗), e me senti feliz quando acabei de ler. Acho que fui coerente o suficiente, então vou terminar dizendo que você PRECISA ler esse livro. Porque o Felipe merece. Porque o Caio merece. Porque o Vitor merece. P.S. 1: eu gostei tanto do Felipe que vou relevar o fato dele não gostar de Cheetos requeijão. P.S. 2: Escolhi não mencionar a relação do Felipe com a mãe, a Rita, porque mereceria um resenha separada. Amei MUITO ver uma mãe tão maravilhosa numa história. Alguns dos melhores momentos dessa história aconteceram graças a ela.

  20. 5 out of 5

    Rodrigo Silva

    Um dia você aprende a gostar mais de quem você é, e isso vai refletir em como as outras pessoas vão te enxergar. Gente babaca vai existir para sempre, mas a gente aprende a resistir. E isso é o mais importante. Não abaixar a cabeça e lutar pelo que você acredita. Lutar pelo direito de poder casar com quem você ama, pelo direito de ter seu corpo respeitado, independente de como ele é ou do que você está vestindo. Lutar pelo direito de andar na rua sem ser atacada pela cor da sua pele. O que eu ten Um dia você aprende a gostar mais de quem você é, e isso vai refletir em como as outras pessoas vão te enxergar. Gente babaca vai existir para sempre, mas a gente aprende a resistir. E isso é o mais importante. Não abaixar a cabeça e lutar pelo que você acredita. Lutar pelo direito de poder casar com quem você ama, pelo direito de ter seu corpo respeitado, independente de como ele é ou do que você está vestindo. Lutar pelo direito de andar na rua sem ser atacada pela cor da sua pele. O que eu tenho a dizer após terminar este livro: Existe um trecho no meu clássico favorito (O Apanhador no Campo de Centeio) que diz o seguinte: Bom mesmo é o livro que quando a gente acaba de ler fica querendo ser um grande amigo do autor; E é essa a impressão que eu tenho quando leio um livro excelente. Consigo visualizar tudo na cabeça, as descrições saltam das páginas, você de leitor vira um personagem coadjuvante da história, só observando. Eu levei 10 dias para ler este livro não porque não estava preso na história, mas porque não queria que ela acabasse. É sério. É tipo seu primeiro amor, você quer aproveitar o momento. Conseguir lacrar assim no seu primeiro livro é uma baita façanha! Portanto, deixo aqui 15 motivos pelo qual QUINZE DIAS é perfeito (listadas conforme penso, não em ordem de importância necessariamente): 1) A diversidade. Já esperava algo incrível por ser escrito pelo Vitor - que sempre tem recomendações incríveis (li My Lady Jane e The Sun is also a Star e até assisti La La Land por causa dele!) - mas a forma como isso é abordado pode parecer forçado em alguns livros. Aqui, é feito da forma mais natural possível, e você se sente incluído no grupo. 2) Amo livros com amizades fortes. Quero ser amigo de Felipe, Caio, Beca, Melissa e até da Tia Rita (S2). 3) Referências da cultura pop. Fiquei imaginando como seria um filme de zumbis robôs haha. 4) Calipe é o seu mais novo ship. O romance é muito fofo, e é desenvolvido de uma forma linda, maravilhosa e incrível. 5) A terapia do Lipe é usado como algo positivo. Gostei muito deste detalhe. 6) O Lipe não é reduzido às suas inseguranças, como outros contemporâneos que já li. 7) Quarta-feira musical. 8) Você vai se identificar com algum personagem desta história. Eu, por exemplo, me vi muito no Felipe (me lembro de ir na praia mais tarde, quando estava praticamente vazio, pra poder entrar no mar sem sentir vergonha do meu corpo), no jeito animado do Caio, no lado astrológico da Beca e dos conselhos de Tia Rita. 9) Há adultos presentes na história, e que tem muita importância no desenrolar dos acontecimentos. Tia Rita é sensacional! 10) Quem nunca pensou em nomes de gatos que você quer ter com seu crush? haha 11) Você vai desejar que este livro tenha 365 dias em invés de 15. Comecei a ler, e pouco tempo depois já tinham se passado umas cem páginas! Vitor me salvou de uma ressaca literária! 12) O bullying retratado aqui é bem realista, me identifiquei nessa parte também. 13) Você vai ter vontade de marcar o livro inteiro. Parece que o Felipe está do seu lado, contando a história dele. E as listas que ele faz (as pesquisas no Google também rs)! 14) É um livro que menciona outros livros! 15) Quando você terminar o décimo quinto dia você vai ficar assim: Por querer mais, e assim: e essa vai ser cara quando Calipe tiver um momento: Resumindo o que achei deste livro num gif: Afinal, um lacre é um lacre, né gente?

  21. 4 out of 5

    Deise Capuzzo

    Ai meu Deus, não to sabendo nem lidar com tanta fofura. Quinze dias chegou aqui em casa hoje e eu, que tenho mania de querer ler só um pedacinho dos livros que acabaram de chegar mesmo estando lendo outro 27 livros ao mesmo tempo, decidi que ia ler só o primeiro capítulo... e aqui estou, algumas horas depois, com o livro lido porque eu não consegui largar ele. Eu não sei nem por onde começar a falar dele.... O livro trata de um romance entre dois jovens gays. O protagoni Ai meu Deus, não to sabendo nem lidar com tanta fofura. <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 Quinze dias chegou aqui em casa hoje e eu, que tenho mania de querer ler só um pedacinho dos livros que acabaram de chegar mesmo estando lendo outro 27 livros ao mesmo tempo, decidi que ia ler só o primeiro capítulo... e aqui estou, algumas horas depois, com o livro lido porque eu não consegui largar ele. Eu não sei nem por onde começar a falar dele.... O livro trata de um romance entre dois jovens gays. O protagonista, além de gay, é gordo. O livro aborda diversas temáticas de preconceito e opressão - bullying, racismo, homofobia, problemas de autoimagem etc tec- e sério, qualquer livro que jogue essas coisas na roda já merece uma salva de aplausos. Felipe, o narrador, além de ser entendido como socialmente "esquisito" (alguém mais cansou de personagens fodões que super se ajustam bem em todas as situações? É, então...) é fenomenalmente engraçado. Sério. Chorei de rir em diversas partes (minha mãe veio ver se eu tava bem, grau de "chorei de rir"). E as linhas de racicíonio dele me lembram um pouco as minhas como adolescente... (e como adulta também, enfim). Caio é uma gracinha, meudeusdocéu, e o romace deles vai crescendo aos pouquinhos (obrigada senhor, pelos amores bem construídos!) e é uma fofura de ver gente. A escrita é bem fluida e quando eu percebi já tinha lido mais de 100 páginas tranquilamente. Você fica torcendo pelos personagens. E no mais, só calorzinho no coração gentemmm <3 Como faz pra fazer amizade com esses personagens, ein? Leiam. Sério. Vale a pena. To muito feliz de ter investido nesse livro pq fez da minha terça feira um dia mais arco iris :) Edit: alguns dias depois, AINDA pensando nesse livro, quis acrescentar uns detalhes que gente....faltaram, meu deus! 1. relação entre mãe e filho maravilhosa - pra mim falta muito em YA. O protagonista é adolescente! É lógico que os pais não podem ser só figurativos. Ponto positivíssimo pro Vitor por ter escrito uma mãe que ama e se preocupa e participa e (view spoiler)[ mãe solteira gente, representatividade sim! (hide spoiler)] . 2. Beca. Só amor. Por tudo que ela é e por tudo que ela representa. Mais nada a declarar. <3 3. O livro não é um livro sobre um menino gay se descobrindo/'saindo do armário'. Eu não sou gay (nem um menino... enfim) então dificilmente é meu lugar de fala mas livros com personagens bem resolvidos e aceitos ali na sua sexualidade também são importantes e tem que existir. Parabéns pro Vitor por ter feito um trabalho tão gracinha, bem feito e cheio de amor e representatividade. Me orgulho de ver escritores nacionais arrasando por ai e me dá uma esperancinha quanto ao futuro ;) Continuo com a frase lá de cima: LEIAM.

  22. 5 out of 5

    Gabriel Henrique

    Primeiramente: QUE HINO! Esse livro me fez sentir tanta coisa que eu nem consigo organizar minhas ideias e escrever uma resenha digna. Mas vamos lá... Quinze Dias vai contar a história do Felipe (jovem, gay, gordo, nerd, inseguro) preciso passar suas características pois é a base desta narrativa. Felipe não vê a hora das aulas acabarem e começarem suas férias e finalmente estar longe da escola, local este onde ele sofre as piores ofensas devido principalmente ao seu corpo. O que Felipe não esperav Primeiramente: QUE HINO! Esse livro me fez sentir tanta coisa que eu nem consigo organizar minhas ideias e escrever uma resenha digna. Mas vamos lá... Quinze Dias vai contar a história do Felipe (jovem, gay, gordo, nerd, inseguro) preciso passar suas características pois é a base desta narrativa. Felipe não vê a hora das aulas acabarem e começarem suas férias e finalmente estar longe da escola, local este onde ele sofre as piores ofensas devido principalmente ao seu corpo. O que Felipe não esperava é que teria que passar suas férias com seu vizinho, que secretamente é seu crush de infância. Conforme a história vai seguindo observamos o comportamento do Felipe diante dessa situação tão improvável e ao mesmo tempo totalmente normal (ou não). Felipe precisa deixar de lados seus medos e anseios para tentar interagir com Caio, seu vizinho e agora hospede durante 15 dias, que é o tempo que o garoto vai passar com Felipe e sua mãe. Felipe vai precisar enfrentar com toda sua insegurança "monstros" que o atormentam diariamente, em busca de mudanças necessárias. E adianto que Caio vai ser mais do que importante nessa jornada. Não quero contar mais que isso, cada página é uma surpresa, as vezes boa e as vezes tensa mas que no fim vale muito a pena. Nessa resenha eu queria focar na importância desse livro. O Vitor conseguiu mesclar de forma genial num YA discussões sobre diversos preconceitos, sejam eles por causa de peso, orientação sexual, pela cor da pele e etc. Fiquei extramente feliz que não há nenhum tipo de frase ou discurso clichê que nos leve a refletir sobre tais assuntos, tudo se dá a partir de uma narrativa envolvente com acontecimentos totalmente coerentes com o desenvolver da história. É incrível acompanhar o desenvolvimento do Felipe, a transformação do personagem em meio as suas próprias descobertas, quando ele se permite sentir coisas reprimidas durante anos, quando ele decide tomar as rédias dos seus sentimentos. Ainda temos demonstrações belíssimas de pura amizade, de como ter em quem confiar e dividir sua vida é importante e saudável. Lendo Quinze Dias eu ri muito, eu me emocionei bastante, senti raiva, senti amor, esse livro transborda sentimentos do começo ao fim (Vitor que bruxaria foi essa???). Não sei se consegui expressar o quão maravilhosa é a experiência de ler este livro que com certeza será relido muitas vezes principalmente quando eu sentir que estou perdendo a batalha contra meu eu reprimido pela sociedade conservadora. É isso. 5 estrelas e favoritado, Vitor Martins esse livro é uma obra-prima.

  23. 4 out of 5

    Laura AP

    LÁ VEM HINO!!!! Confesso que estava morrendo de medo de ler esse livro e não gostar. Eu gosto muito do Vitor, e fiquei MEU DEUS, E SE EU NÃO GOSTAR? COMO VOU FALAR ISSO? SOCORRO!!! Felizmente esse livro é ótimo, maravilhoso, merece todas as estrelinha no goodreads. A coisa mais incrível no livro pra mim foi a voz do Vitor. Tem uma coisa muito subjetiva quando se trata da voz do escritor na ficção, e muitas vezes a gente fala em "voz" sem ter certeza do que está falando. Quando peguei pra ler Quinze LÁ VEM HINO!!!! Confesso que estava morrendo de medo de ler esse livro e não gostar. Eu gosto muito do Vitor, e fiquei MEU DEUS, E SE EU NÃO GOSTAR? COMO VOU FALAR ISSO? SOCORRO!!! Felizmente esse livro é ótimo, maravilhoso, merece todas as estrelinha no goodreads. A coisa mais incrível no livro pra mim foi a voz do Vitor. Tem uma coisa muito subjetiva quando se trata da voz do escritor na ficção, e muitas vezes a gente fala em "voz" sem ter certeza do que está falando. Quando peguei pra ler Quinze Dias, esse livro tinha VOZ. TEM UMA VOZ DA PORRA. Todos os personagens principais são ótimos, a narrativa do Felipe é engraçada ao mesmo tempo que tem um toque de melancolia. Os desafios dele são tão reais, e os personagens em si são tão RELATABLE. Eu conseguia me identificar facilmente com a narrativa, e não conseguia parar de virar as páginas loucamente pra saber o que iria acontecer depois. O Caio é um fofo, a Dona Rita é uma ótima mãe. O livro tem aquela atmosfera brasileira de férias e de coisas que acontecem na vida real, e é tão fácil de visualizar tudo. Inclusive, amei as pesquisas do Google do Felipe, são exatamente iguais as minhas. Eu poderia ficar falando de Quinze Dias pra sempre, mas o que eu digo é isso: eu fico tão feliz desse livro existir. Ele é tão bom. Li só uma vez mas já sei que entrou pro meu hall de livros favoritos, daqueles que eu vou reler quando estiver me sentindo triste ou quiser um romancinho fofo pra me alegrar. É isso. Obrigada por existir, Quinze Dias.

  24. 5 out of 5

    Dafne ❀

    Se existe livro mais reconfortante do que esse, eu desconheço ❤️

  25. 5 out of 5

    Diene Almeida

    Não sei escrever resenhas, e nem vou fingir o contrário. Também não vou fingir que SEI de fato como é sofrer bullying por ser gordo, ou gay. Mas sei o tipo de bullying que eu passei na minha época escolar, por ser uma menina que jamais se encaixou dentro dos padrões impostos a nós desde que nascemos. E também sei usar minha empatia, logo, não tem como ignorar a importância de tudo que é retratado aqui. E mesmo não sofrendo pelo mesmo tipo de problema que o Felipe passa aqui, também cheguei ao po Não sei escrever resenhas, e nem vou fingir o contrário. Também não vou fingir que SEI de fato como é sofrer bullying por ser gordo, ou gay. Mas sei o tipo de bullying que eu passei na minha época escolar, por ser uma menina que jamais se encaixou dentro dos padrões impostos a nós desde que nascemos. E também sei usar minha empatia, logo, não tem como ignorar a importância de tudo que é retratado aqui. E mesmo não sofrendo pelo mesmo tipo de problema que o Felipe passa aqui, também cheguei ao ponto de não saber nem agir em publico mais. De só querer me trancar num quarto e nunca mais sair dele. Cheguei ao ponto de achar que, quando eu ia dormir, seria muito mais fácil se eu simplesmente não acordasse mais. Então deu pra rolar uma identificação, mesmo que não completa. Como não posso entrar em local de fala que não é meu (homofobia e gordofobia), vou entrar única e exclusivamente na parte em que posso: sobre ser mulher, e sofrer por isso, e ter um bônus de alvos para idiotas da escola, por ter todos os traços negros da minha família, e por passar minha adolescência toda achando que eu era o problema, e não quem fazia isso comigo, e te agradecer, Vitor, porque mesmo com o foco da história não sendo esse, você ainda colocou isso lá, e para quem ainda tá passando por isso, vai fazer toda a diferença, porque mesmo agora, quando eu já lido um pouco melhor com a coisa toda, AINDA fez. E preciso finalizar acrescentando que: AS REFERENCIAS. MDS AS REFERENCIAS <3

  26. 4 out of 5

    Sara Barbosa

    Eu nunca escrevi nenhuma review pra nenhum livro na face desta terra, mas senti que era super necessário escrever no mínimo um comentário sobre esse aqui. Comecei a ler Quinze Dias à uma da manhã e termineo agora, às seis. Não conseguia parar de ler, muito menos de sorrir (minha cara tá doendo de tanto sorrir) e de chorar de emoção e felicidade com um livro tão bom. Ele tocou em tópicos que ninguém nunca toca e que são tão importantes, especialmente pra mim, uma menina que como a Beca, desde semp Eu nunca escrevi nenhuma review pra nenhum livro na face desta terra, mas senti que era super necessário escrever no mínimo um comentário sobre esse aqui. Comecei a ler Quinze Dias à uma da manhã e termineo agora, às seis. Não conseguia parar de ler, muito menos de sorrir (minha cara tá doendo de tanto sorrir) e de chorar de emoção e felicidade com um livro tão bom. Ele tocou em tópicos que ninguém nunca toca e que são tão importantes, especialmente pra mim, uma menina que como a Beca, desde sempre foi forçada a fazer as coisas mais absurdas pra emagrecer. Eu amei demais o Caio e o Felipe. Depois de livros e mais livros de meninas que descobrem seus poderes do nada e tem que salvar o reino e bla bla bla (mano, esse livro tem as melhores referências a cultura jovem EVER), Quinze Dias foi um mergulho perfeito na melhor piscina do mundo. Eu agradeço imensamente ao autor, de quem eu já estou SEDENTA aguardando mais livros, e a sua habilidade incrível de escrever bem demais personagens e listas!!!!! de musicais e nomes de gato (Bisnaguinha!!!!!!) que eu preciso revisitar.

  27. 5 out of 5

    Paula Viana

    "Gordo é uma palavra sem volta. Quando você afirma uma coisa, por mais que ela esteja clara pra todo mundo, ela se torna real." Não costumo escrever resenhas aqui no Goodreads, mas depois de terminar Quinze Dias, sinto que preciso sim parar por um minuto e enaltecer Vitor Martins e esse livro. Apesar de ter finalizado a leitura ontem, honestamente ainda estou me sentindo meio ~abalada~ então é possível que os pensamentos saiam uma bagunça, mas fazer o que? Os personagens de Quinze Dias são excelen "Gordo é uma palavra sem volta. Quando você afirma uma coisa, por mais que ela esteja clara pra todo mundo, ela se torna real." Não costumo escrever resenhas aqui no Goodreads, mas depois de terminar Quinze Dias, sinto que preciso sim parar por um minuto e enaltecer Vitor Martins e esse livro. Apesar de ter finalizado a leitura ontem, honestamente ainda estou me sentindo meio ~abalada~ então é possível que os pensamentos saiam uma bagunça, mas fazer o que? Os personagens de Quinze Dias são excelentes. Aqui a gente tem vários tipos de representatividade e nenhuma é vazia; pelo contrário, os personagens são bem construídos e você fecha o livro se sentindo amigo de todos eles - menos dos babacas, obviamente. O Felipe é um protagonista com quem você vai sim se identificar em diversos momentos e por quem é impossível não torcer. Perdi a conta dos momentos em que eu quis abraçá-lo e protegê-lo do mundo (ou o Caio ou Beca ou Melissa ou tia Rita ou todos de uma vez) e fiquei sim super orgulhosa a cada passo que ele dava, como (view spoiler)[a primeira conversa a luz do dia com Caio ou enfrentar os bullies pela primeira vez (hide spoiler)] !!! A Beca merece todo um discurso só dedicado a ela, mas eu sinceramente não sei se consigo achar as palavras certas, porque tudo o que me vem a cabeça é RAINHA, MARAVILHOSA, DONA DO MUNDO. O romance também é sensacional. Como diria o próprio Felipe, eu fiquei DESESPERADA durante o livro todo enquanto a relação #Calipe ia se construindo e, conforme os dias iam passando, o desespero ia aumentando HAHAHA. A escrita do Vitor é muito fluida, o humor dele (já conhecido para quem o acompanha, mas ainda assim) é ótimo e a estrutura que ele criou, dividindo os capítulos em dias, faz a leitura passar mais rápido: quando você vê, já chegou o dia 10, só faltam 5 pra acabar e você queria mais uns 50. Não posso deixar de falar da tia Rita. Depois de ler inúmeros YAs aí pela vida no qual os pais são responsáveis pelos mais diversos traumas e problemas dos filhos ou até mesmo estão ali só mesmo ~para constar~, é um alívio encontrar uma mãe tão maravilhosa e sensacional, que tem orgulho, se preocupa com o filho e o enxerga como um verdadeiro companheiro. Até mesmo Sandra, mãe de Caio, é um alívio porque ela vai viajar e efetivamente LIGA PARA O FILHO para saber se ele está vivo (ainda que ela seja sim um pouco exagerada, mas rolou uma identificação, oi mãe!). "Você é meu companheiro, filho. E qualquer pessoa que pode aproveitar a sua companhia é uma pessoa de sorte." Enfim, depois de todos esses pensamentos bagunçados, fica a minha sincera recomendação: LEIAM QUINZE DIAS. Façam esse favor a vocês mesmos, sério, uma vida com #Calipe é uma vida mais feliz. Por último, mas não menos importante: "Gente babaca vai existir para sempre, mas a gente aprende a resistir. E isso é o mais importante. Não abaixar a cabeça e lutar pelo que você acredita."

  28. 5 out of 5

    Emily

    Faz um tempinho já que eu sigo o Vitor Martins nas ~redes sociais~, então quando ele disse que estava escrevendo um livro eu fiquei BEM ANIMADA. Acompanhei os diários de escrita, assisti os vídeos dele sobre o assunto, curti os tweets e até mesmo vi um pouco de mim e das minhas amigas, trabalhando as nossas próprias histórias, nisso tudo. Daí eu finalmente consegui comprar o livro e ler e ADOREI? O Felipe é um narrador incrível e não dá pra não gostar dele e torcer por ele e rir com ele. A Rita, Faz um tempinho já que eu sigo o Vitor Martins nas ~redes sociais~, então quando ele disse que estava escrevendo um livro eu fiquei BEM ANIMADA. Acompanhei os diários de escrita, assisti os vídeos dele sobre o assunto, curti os tweets e até mesmo vi um pouco de mim e das minhas amigas, trabalhando as nossas próprias histórias, nisso tudo. Daí eu finalmente consegui comprar o livro e ler e ADOREI? O Felipe é um narrador incrível e não dá pra não gostar dele e torcer por ele e rir com ele. A Rita, mãe do Felipe, era MARAVILHOSA e eu meio que queria ser amiga dela também, nem que fosse pra sentar e ficar pintando quadros juntas e comendo comida de pronta entrega. O Caio era MARAVILHOSO e eu amei que ele também não foi endeusado, ao contrário, era um garoto real, com seus próprios problemas e ansiedades como todo mundo. As outras personagens (meu deus quanta mulher nesse livro OBRIGADA VITOR MARTINS) todas eram incríveis, desde a terapeuta do Felipe, a Olívia, até a avó dele e as amigas do Caio, Beca e Melissa. Até o Dudu, o menino que entrega o desenho pro Felipe depois da aula de artes, era um FOFO. E o mais legal é que tudo isso acontece em uma cidade do interior no Brasil. Tem prédio com piscina, tem FESTA JULINA, tem gente se conhecendo no carnaval, tem de tudo. As referências que o Felipe faz ao longo da narrativa são praticamente orgânicas, não é aquele negócio JOGADO no meio do texto só pra mostrar que o autor conhece, e eu reconheci na fala dos personagens e na narrativa do Felipe muita coisa que eu e meus amigos falamos. Por fim, não é meu lugar de fala comentar as experiências do Felipe, mas achei que elas foram muito bem trabalhadas. Eu sentia o que ele sentia mesmo não tendo passado por isso e dá pra ver como muita gente vai poder se encontrar ali - e isso é tão ótimo!! Amei a leitura, amei o romancinho, amei tudo.

  29. 4 out of 5

    Ízargos

    Que livro maravilhoso!!! Ótima história, muito engraçada (dei muitas risadas), escrita ótima, o único problema é que o livro é curtinho, queria mais e mais hahaha.

  30. 5 out of 5

    Lucas Fogaça

    Eu nunca sorri tanto lendo um livro. Resenha completa em breve.

Add a review

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Loading...
We use cookies to give you the best online experience. By using our website you agree to our use of cookies in accordance with our cookie policy.